Édipo Rei, de Sófocles: um resumo

Para uso no curso Teatro Grego e com as divisões de acordo com a Poética (Atistóteles) Capítulo 12 Parágrafo 66

As edições recentes não trazem mais essa divisão.

1. Prólogo

Édipo relata ao sacerdote que mandou seu cunhado Creonte ao oráculo buscar respostas para combater a peste que cai sobre a cidade. Creonte volta e diz que o deus recomenda a punição dos assassinos de Laio. Édipo então ordena que se tomem as providências para investigar o crime.

Párodo

Os coreutas lamentam a peste e pedem socorro aos deuses.

2. Primeiro episódio

Começa a investigação. Tirésias é chamado mas se nega a falar. Finalmente, acusa Édipo do assassinato, que por sua vez acusa o adivinho de estar mancomunado com Creonte para derrubá-lo do trono. Tirésias retira-se, reiterando o que disse.

Primeiro estásimo

Os coreutas discutem sobre quem será o assassino.

3. Segundo episódio

Édipo discute com Creonte, acusando-o de querer tomar-lhe o trono. Jocasta entra, defende Creonte e quer saber o que houve. Diz a Édipo que não acredita em profecias, e conta então a ele a profecia, o nascimento e morte do menino e a morte de Laio por salteadores de estrada. Édipo lhe conta então sua infância com Pólibo e Mérope, em Corinto, e a profecia. Levanta também a possibilidade de ele mesmo ter morto Laio. Mandam buscar o servo que presenciou tudo.

Segundo estásimo

Os coreutas lamentam o descrédito da religião.

4. Terceiro episódio

Entra um mensageiro com a notícia que Pólibo morreu, e Édipo é aclamado rei de Corinto. Jocasta fica feliz, e diz a Édipo que o temor das profecias era infundado. Este ainda fala sobre o medo que tem de dormir com a mãe, Mérope; o mensageiro, escutando tudo, revela que Édipo não é filho dos reis de Corinto, sendo adotivo. E que o salvou da morte por um pastor de Laio, que sabe toda a verdade. Jocasta, desconfiando da verdade, quer parar a investigação. Édipo não a atende e ela se retira, em desespero. O pastor é encontrado e confirma tudo. Édipo, transtornado, entra no palácio.

Terceiro estásimo

Os coreutas refletem sobre as desgraças da vida e os revezes aos quais está exposto o homem.

Êxodo

O mensageiro relata aos cidadãos o suicídio de Jocasta e o desespero de Édipo, arrancando os próprios olhos. Entra Édipo, se lamenta. Recomenda os filhos a Creonte, abraça as filhas e se exila em Colono. O coreuta conclui com a fala famosa.

 

Bibliografia – As peças

As peças que vamos estudar especificamente foram escritas em grego antigo, e sofreram diversas modificações ao longo dos séculos, nas mãos de copistas, tradutores e editores. Mesmo com todos esses intermediários que nos separam do original, o texto que nos chega hoje é magnífico. Apesar disso, muitas edições são estragadas, deturpadas ou inviabilizadas pela tradução para o português.

Por isso recomendo e adoto as traduções de Mário da Gama Kury, por seus méritos intrínsecos e também porque são fáceis de adquirir, a um preço razoável. Então: se for comprar, não compre qualquer tradução. Compre as do Kury, porque vai facilitar muito a sua vida.

ÉSQUILO. Oréstia. Agamenon, As Coéforas e As Eumênides. 8.ed. Rio de Janeiro, Zahar, 2010.

SÓFOCLES. Trilogia Tebana. Édipo Rei, Édipo em Colona e Antígona). 8 ed. Rio de Janeiro, Zahar, 1998.

EURÍPIDES. Ifigênia em Áulis, As Fenícias e As Bacantes. 5 ed. Rio de Janeiro, Zahar, 2005.

Em negrito as peças sobre as quais falaremos. Se der tempo incluiremos As Troianas e Medeia, de Eurípides.

Existem inumeráveis traduções dessas peças, como já falei acima. Você não é obrigada a comprar, nem precisa ter lido para compreender os temas das aulas. Eu mesma, ainda muito jovem, só fui ler algumas depois de ver aulas ou palestras sobre elas.