O QUE É O MITO?

O que é o mito?

Vejamos a definição da Wikipedia.

…“Um mito é uma narrativa de caráter simbólico-imagético, ou seja, o mito não é uma realidade independente, mas evolui com as condições históricas e étnicas relacionadas a uma dada cultura, que procura explicar e demonstrar, por meio da ação e do modo de ser das personagens, a origem das coisas (do mundo; dos homens; dos animais; das doenças; dos objetos; das práticas de caça, pesca, medicina entre outros; do amor; do ódio; da mentira e das relações, seja entre homens e homens, homens e mulheres e mulheres e mulheres, humanos e animais etc.). Sendo dessa maneira, é correto dizer que o mito depende de um tempo e espaço para existir e para ser compreendido.”

Decompondo a sentença:

Um mito é

  • uma narrativa
  • de caráter simbólico-imagético, ou seja, o mito não é uma realidade independente, mas evolui com as condições históricas e étnicas relacionadas a uma dada cultura,
  • que procura explicar e demonstrar, por meio da ação e do modo de ser das personagens,
  • a origem das coisas (do mundo; dos homens; dos animais; das doenças; dos objetos; das práticas de caça, pesca, medicina entre outros; do amor; do ódio; da mentira e das relações, seja entre homens e homens, homens e mulheres e mulheres e mulheres, humanos e animais etc.).
  • Sendo dessa maneira, é correto dizer que o mito depende de um tempo e espaço para existir e para ser compreendido.

Usando palavras mais simples:

  • uma narrativa, uma história, uma sucessão de acontecimentos
  • que se utiliza de símbolos e imagens relacionadas a uma dada cultura,
  • procurando explicar e demonstrar, por meio dos seus personagens
  • a origem das coisas.

Reunindo tudo de novo:

O mito é uma narrativa que se utiliza de símbolos e imagens relacionadas a uma dada cultura, procurando explicar e demonstrar, por meio dos seus personagens, a origem das coisas.

Quando ponho meu neto no colo e ele diz: – Vovó, por que de dia não tem estrela?

Eu posso responder que o sol casou com a lua e tiveram várias estrelinhas filhas, que de noite ficam todas junto com a mãe enquanto o papai vai trabalhar iluminando outra parte do mundo – ou coisa do tipo.

Se esse não é o esquema familiar no qual a criança vive, ou seja, se os pais são separados e ele mora somente com o pai que o deixa de dia na creche e vem buscá-lo à noite, eu invento outra história, porque a explicação precisa ser ancorada no mundo da experiência concreta.

Então o mito é uma narrativa de explicação e interpretação da natureza. Ocorre quando é preciso dar sentido a algo que não entendemos, para eliminar o pavor que sentimos ao encarar o desconhecido.

É uma construção que se baseia na aparência do mundo. A ciência, que vai além da aparência, oferece outra explicação para a mesma realidade mas, da maneira que entendo o mundo, essas duas explicações, a científica e a mítica, não se excluem: são complementares, porque o ser humano precisa das duas.